Impeachment: Dilma pronta para batalha campal




Ao lembrar na reunião dos governadores que todos ali foram eleitos democraticamente, para um mandato de quatro anos, e citar que é capaz de aguentar a pressão e até as injustiças, a presidente Dilma deu a muitos dos presentes a impressão de que qualquer processo de impeachment, se houver, será uma batalha campal. Portanto, o mais sensato é cuidar da economia, deixando esses processos na gaveta. Falta, entretanto, combinar com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação é de Denise Rothenburg, na sua coluna do Correio Braziliense e Blog do Magno.

Diz ainda a colunista que aliados da presidente Dilma presentes à reunião lembram que PSDB e PMDB estão separados nesse campo, porque os projetos são antagônicos. O PSDB não quer ser governo com o PMDB na cabeça e a possibilidade de concorrer à reeleição. Os peemedebistas, por sua vez, não trabalham com uma saída de Dilma que leve Michel Temer junto para haver nova eleição. Logo, os projetos, até aqui, são divergentes. 

Comentários

Anterior Proxima Página inicial