Paraíba gera 19,9 mil postos de empregos, terceiro maior saldo do Nordeste


O Estado da Paraíba gerou no ano passado um saldo positivo de 19,9 mil postos de trabalhos no acumulado dos doze meses, segundo dados divulgados pela Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) nesta quarta-feira (9), órgão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Em um ano, o número de pessoas empregadas com carteira assinada subiu de 659.242 para 679.180 no estoque do Estado, um acréscimo de 3,02% de novos empregos. A taxa de crescimento paraibano ficou bem acima da média do Brasil (1,27%) e do Nordeste (2,31%).

Os números de empregos da Paraíba no levantamento da Rais, que traz números mais consolidados e amplos do mercado de trabalho de cada Estado, ficaram acima dos dados divulgados pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) em janeiro (16.326) no acumulado dos doze meses, o que representou uma diferença de 3,6 mil postos a mais. 

A geração de empregos no ano passado em termos absolutos foi puxada pelo setor de serviços (14,4 mil) e do comércio (6,0 mil). Na terceira posição veio a indústria de transformação que acrescentou ainda 757 postos. Em termos relativos, o setor extrativo mineral (8,44%), serviços (9,51%) e comércio (5,99%).

No cenário regional, a Paraíba registrou o terceiro melhor desempenho entre os nove Estados do Nordeste na geração de empregos. O saldo de 19.938 postos na Paraíba ficou atrás apenas dos Estados da Bahia (57.676) e do Ceará (56.534).

Segundo ainda dados do Ministério do Trabalho, o número total de trabalhadores masculino subiu na participação total em 2014 em relação ao ano anterior. Do total de 679,1 mil paraibanos empregados no ano passado, 59% eram trabalhadores do sexo masculino (388.981), enquanto 41% eram do sexo feminino (290.199). Em 2013, havia 57% de masculino e 43% de feminino.

Quanto à remuneração média do trabalhador paraibano, o valor, em média, subiu em termos reais (acima da inflação) na passagem de 2013 para 2014 em 3,66%, o maior índice entre os Estados do Nordeste. Em valores, o valor médio subiu no Estado de R$ 1.749, em 2013,  para R$ 1.813, em 2014. Assim como a média relativa de geração de emprego, a remuneração da Paraíba cresceu também acima da região Nordeste (2,47%) e do país (1,79%).

NO ACUMULADO DOS QUATRO ANOS: No acumulado de 2011 a 2014, a Paraíba gerou quase 100 mil empregos formais (99.676) com carteira assinada,  levando em consideração os dados consolidados pela RAIS. No ano de 2011, o número de vagas criadas chegou a 35.309, enquanto a soma de 2012 ficou em 13.234, subindo para 31.195 postos em 2013. No ano passado, o número gerado foi de 19.932 postos.

Os setores que mais empregaram na Paraíba até dezembro do ano passado foram a administração pública (255.708); serviços (165.864); comércio (106.762) e a indústria de transformação (81.781). Completam o estoque de empregos formais na Paraíba: agropecuária (13.332), serviços de utilidade pública (7.766) e extrativo mineral (1.580). (Folha d Sertão)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial