Secretário da Fazenda de Paulo Câmara defende aumento de impostos estaduais, se necessário

marcio-stefanni

O secretário da Fazenda da gestão Paulo Câmara, Márcio Stefanni, o homem que está no centro do monitoramento dos cortes na máquina pública, ao mesmo tempo em que acompanha a evolução na receita, aproveitou o debate promovido pelo programa Cidade Viva, nesta tarde de quinta, para defender a necessidade de aumento de impostos estaduais, se necessário. Estariam na lista o ICMS (Imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços) e o IPVA.

O Cidade Viva é apresentado pela jornalista Inês Calado. Participaram da entrevista com o secretário o editor de Política do JC, Gilvan Oliveira, o titular da coluna Pinga-Fogo, Giovanni Sandes, e a repórter de Cidades do JC Ciara Carvalho.

No ar, o secretário frisou que a necessidade de aumentar os impostos, no plano estadual, dependerá do aumento dos impostos federais, por Dilma. No caso, o governo do Estado depende da partilha de impostos que são compartilhados com os Estados, como o IPI, o IR e até mesmo uma eventual ressuscitada CPMF.

“Existem poucas opções. Não descartamos alternativas, pois tivemos forte queda de receitas e a manunteção dos serviços do Estado depende de receitas. Não está fora de cogitação. Cada serviço tem seu custo”, declarou.

“Não quero dizer que vamos ter, mas a sociedade precisa discutir. O governo do Estado não imprime dinheiro, enquanto o governo Federal vem aumentando seus títulos da dívida pública (para se financiar)”, comparou.

A necessidade de mais recursos foi citada quando o secretário foi cobrado pelos impactos dos cortes nos serviços prestados à população. É o caso da saúde, com o fechamento, em hospitais, de leitos e de UTIs, além da suspensão de plantões noturnos e do fornecimento de medicamentos. Foi o que informou o Blog de Jamildo.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial