Igreja Católica lança telefone para ajudar bebês com microcefalia


Cartaz campanha Disque Solidariedade Microcefalia (Foto: Divulgação)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil  (CNBB) Nordeste 2 reforçou a ação para ajudar as famílias de bebês  vítimas de malformação em decorrência do vírus da zika. A Pastoral da Saúde lançou, neste sábado (12), o Disque Solidariedade Microcefalia. Os pais ou parentes das crianças que ligarem para o telefone 3204 1373, de segunda a sexta das 8h ao meio-dia, contarão com apoio de agentes e voluntários ligados à Igreja Católica. É o que informou o G1.

A iniciativa, na primeira fase do projeto,  vai mobilizar 50 paróquias no Recife. A meta, no entanto, é expandir o trabalho para todo o estado de Pernambuco, atingindo até 100 comunidades.  “Temos objetivo de levar o Disque Solidariedade Microcefalia para todo o Nordeste, onde existem mais crianças com o problema”, informou o coordenador da Pastoral da Saúde Nordeste 2,  Vandson Holanda.

Com o Disque Solidariedade, a CNBB pretende aproveitar a grande presença da Igreja nas comunidades, principalmente as de baixa renda, para ampliar a rede de apoio a famílias que não dispõe de recursos para assegurar assistência ideal aos bebês. 

“Vamos capacitar agentes pastorais e voluntários para acompanhar essas famílias. Quando a pessoa ligar, acionará o nosso pessoal, que identificará a principal necessidade. Se é transporte, comida ou roupa para as crianças”, observou Holanda.

Ele esclarece, no entanto, que a ideia não é competir com o poder público, mas  ampliar a rede assistencial. “Queremos fazer parcerias com as demais entidades que já estão apoiando essas crianças”, ressaltou.

Nas ruas

Para divulgar a iniciativa, a Igreja está distribuindo cartazes  com o número do telefone do Disque Solidariedade Microcefalia. Também realizará encontros  nas comunidades para promover treinamentos. “Começaremos na segunda-feira (14), à noite, a primeira capacitação.  Será em Campo Grande e pretendemos contemplar a Zona Norte do Recife”, explicou Holanda.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial