Novas eleições presidenciais: a saída menos dolorosa



Em recente entrevista ao jornal Estadão (SP), o governador Paulo Câmara reforçou o coro dos brasileiros que querem novas eleições presidenciais como uma saída menos traumática para a crise econômica, política e ética que assola o nosso país há quase dois anos. Esse também é nosso sentimento, uma posição firme, suprapartidária e sensata diante de um cenário tão danoso para a jovem democracia brasileira. Defenderemos a realização de novas eleições para presidente de República.

Os procedimentos necessários para a convocação de novas eleições já estão no Tribunal Superior Eleitoral, que tem o dever constitucional de julgar o processo que propõe a cassação da chapa Dilma/Temer sob o argumento de uso de fundos desviados da Petrobras para financiamento da campanha em 2014. Um trabalho permeado por discussões que pode ser acelerado pelos pronunciamentos, debates, mobilizações e atitudes da classe política e dos movimentos sociais que defendem a democracia e a retomada do desenvolvimento brasileiro.

A realização de novas eleições dá ao Brasil a oportunidade de firmar um novo pacto federativo, cobrando dos novos candidatos posturas mais claras e verdadeiras que demonstrem sintonia e compromisso com os anseios da população. Não podemos dividir o Brasil em dois, como o muro do impeachment que separa militantes pró e contra governo em frente à Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Precisamos pensar como republicanos e buscar a melhoria do nosso país. Voltar às urnas é dar ao Brasil uma chance de escolher um novo caminho, avaliando os nomes com o dobro da responsabilidade. Precisamos de um líder conciliador, não há espaço para continuar como está.

O plenário da Câmara aprecia o processo de impeachment, aprovado pela Comissão Especial criada para elaborar o relatório que propõe a cassação da presidente. As análises e projeções mostram que o consenso de permanência ou impedimento está distante. Com Dilma ou sem Dilma, o Brasil ainda estará mergulhado em uma crise que não se vê há 80 anos e seguirá caminhando sem horizonte otimista.

Continuando no poder, Dilma Rousseff não reunirá condições para governar um país mergulhado em desconfiança. Analistas internacionais já preveem uma queda de 4,2% no PIB deste ano caso a presidente permaneça à frente do Palácio do Planalto, resultando em desemprego e inflação que massacrariam ainda mais nossas famílias. Teremos uma comandante desgastada que só poderá, com muito otimismo, minimizar os danos à nossa economia. Se for cassada, a jovem democracia brasileira enfrentará seu segundo impeachment em menos de três décadas o que, apesar de constitucional, é uma medida extrema que gera feridas, fragiliza conquistas, descredibiliza as instituições republicanas e causa descrença nos investidores.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial