Governo Temer ameaça políticas voltadas à agricultura familiar, diz Humberto



Sem alarde, o governo interino do presidente Michel Temer (PMDB) pôs fim à participação do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário na Câmara de Comércio Exterior (Camex). A medida atinge diretamente milhares de agricultores familiares do país, que deixarão de ter representação nas negociações internacionais.

Para o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT), a decisão fragiliza ainda mais o conjunto de políticas públicas de desenvolvimento da agricultura familiar. “Primeiro, diminuíram a importância do antigo MDA (Ministério do Desenvolvimento Agrário) e o fundiram com outra pasta. Agora, os agricultores não vão poder mais ter voz nas discussões sobre preço agrícolas, importação de alimentos, entre outras questões. A agricultura familiar tem uma importância gigantesca para o nosso país. Cerca de 70% da produção de alimentos no Brasil é oriunda da agricultura familiar. O governo Temer segue buscando aniquilar todos os avanços políticos e sociais, especialmente os conquistados pelos mais pobres”, denunciou Humberto.

Segundo dados do Governo Federal, o pequeno agricultor ocupa hoje papel decisivo na cadeia produtiva que abastece o mercado brasileiro de alimentos. Produtos extremamente consumidos, como mandioca (87%), feijão (70%), carne suína (59%), leite (58%), carne de aves (50%) e milho (46%), têm como base este tipo de produção. 

“A ONU recentemente divulgou estudo em que fala da importância da agricultura familiar para a erradicação da fome. Ela é também responsável por quase 80% dos empregos da produção agrícola. É fundamental para economia brasileira. Esse é um setor que precisa de incentivos que fomentem ainda mais a produção de alimentos. Mas o governo Temer vai na contramão disso. Ele tem mostrado por A mais B que governa apenas para uma pequena parcela da população: a de brancos e ricos. A mesma que compõe o seu frágil ministério”, afirmou o senador.

Humberto disse que estimular a agricultura familiar é fundamental e citou como exemplo a produção do feijão, que pesou no bolso dos brasileiros nos últimos meses. “A agricultura familiar é responsável pela maior parte da produção do feijão brasileiro. Quando a gente não dá representação aos agricultores num órgão tão importante como a Câmara de Comércio Exterior, preocupa porque questões como a comercialização desse tipo de alimento ficam de lado”, explicou o senador.   

Comentários

Anterior Proxima Página inicial