Amargando morte de um pai, família de Serra Talhada alerta para descaso e cobra passarela na BR-232


dsc_0010

Mais uma família serra-talhadense está sofrendo com a morte de um ente querido devido a ausência de passarela no trecho urbano da BR-232. Na semana passada, o agricultor Francisco de Assis Neto, 72 anos, foi atropelado por um motociclista no início da noite quando tentava atravessar a rodovia a pé. No choque, o motoqueiro ficou ferido e está internado na Hospital Regional Agamenon Magalhães (Hospam).

Indignados com a perda do pai, os filhos de Francisco procuraram o FAROL para exigir das autoridades competentes, especialmente dos políticos votados aqui no município, a construção urgente de uma passarela na BR-232. Em conversa com a nossa reportagem, a filha da vítima Cícera Maria da Penha, 27 anos, moradora do São Cristovão, lamenta que sua súplica não traga o pai de volta, mas a intenção é evitar que outros pedestres percam a vida.

“Segundo testemunhas, o motoqueiro vinha em alta velocidade e atingiu meu pai em cheio. Quero exigir das autoridades competentes a construção urgente de uma passarela ali para evitar que mais vidas sejam ceifadas. Sei que isso não vai trazer o meu pai de volta, mas isso é revoltante! Estamos sentindo muito a sua falta. Esse trecho não tem nem passarela, nem iluminação e nem sinalização”, alertou.

A técnica em enfermagem também lamenta a demora do Corpo de Bombeiros para socorrer o seu pai. “Ele passou mais de 40 minutos na pista esperando atendimento, isso é inadmissível”, desabafa. O corpo de ‘Seu Francisco’ foi sepultado no último sábado (11). Ele deixa cinco filhos.

Ao longo dos últimos anos, várias famílias sentiram a mesma dor que Cícera e seus irmãos devido atropelamentos na BR-232. Curiosamente, o pai dela foi atingido no mesmo local onde morreu a professa Maria de Lurdes Pereira de Lima, conhecida por ‘Tia Lurdinha”, que também foi atingida por uma moto (relembre) em 2014. (Farol de Notícias)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial