Pernilongos são gigantes e só morrem pisoteados ou afogados, diz moradora



Estadão Conteúdo

Basta esquentar e chover para os pernilongos ganharem a cidade. A cena comum a todo verão parece, no entanto, ter saído do controle neste ano. A proliferação dos mosquitos é assunto nas redes sociais, nas reclamações à prefeitura regional e motivou um abaixo-assinado com mais de 8.300 assinaturas pedindo dedetização da margem do Rio Pinheiros. Diante da comoção, o prefeito João Doria (PSDB) conversou nesta terça-feira (10) com assessores para saber a logística da operação de pulverização do rio. Para quinta-feira (12) deve haver um novo fumacê na região.

Na avaliação do prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias, a situação "é caótica". "Já vi 40, 50 (mosquitos) em um poste de luz. É uma coisa absurda", diz ele, que também deve participar da ação de amanhã, ao lado do secretário municipal de Saúde, Wilson Pollara.

Em seguida, a Prefeitura planeja uma reunião para definir os pontos estratégicos e um plano de ação para o combate ao mosquito. No abaixo-assinado, moradores questionam se o controle da margem do rio vinha sendo feito. De acordo com a assessoria da gestão Haddad, a aplicação de larvicidas biológicos era quinzenal e não foi interrompida, mas disse que o efeito pode ter sido enfraquecido pelas chuvas do fim do ano.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde da gestão municipal atual também citou o intervalo de 15 dias como praxe para garantir a manutenção do poder larvicida residual. Questionada sobre qual poderia ser o motivo para o aumento das queixas dos moradores, a pasta informou, também por nota, que "o volume de reclamações tende a subir no verão, com temperaturas mais altas e mais chuvas, fatores que predispõem a altas proliferações de mosquitos".

A entomologista (especialista em insetos) Maria Anice Sallum, professora da Universidade de São Paulo (USP), lembrou que este verão está mais quente que o normal. E confirmou que a aplicação de larvicidas e do inseticida para adultos depende das condições climáticas.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial