Sertão do Pajeú festeja poesia dos cantadores




O Sertão do Pajeú pernambucano está em festa. O começo de janeiro vem acompanhado da tradicional Festa de Louro – antiga Festa de Reis – no município de São José do Egito, a 383 km do Recife.

A edição, que começa hoje e vai até o dia 6 de janeiro, homenageia os 102 anos do nascimento de Lourival Batista Patriota (o Louro do Pajeú) e o centenário de Zezé Lulu. Também haverá outras homenagens, como ao poeta e escritor Dedé Monteiro, tabiriense que recentemente ganhou o título de Patrimônio Vivo.

As principais homenagens são direcionadas aos dois históricos violeiros e ao que os rodeou durante suas vidas inteiras: a poesia popular. O evento exibe filmes, realiza debates e oficinas, promove o lançamento dos livrosReligiosidade Popular – França e Pernambuco: Diálogos, expressões e conexões, de Silvério Pessoa, e Pífanos do Sertão, mapeamento e pesquisa sobre as Bandas de Pífanos dos Sertões do Pajeú, Moxotó e Central de Pernambuco, de Amaro Filho e Cacá Malaquias.

CANCIONEIRO

A festa também apresenta a música e a poesia de diversos artistas da cultura nordestina, entre eles, Vertim Moura, Bia Marinho, Val Patriota e Tonfil; Petrônio e as Criaturas, Rodrigo Marinho e MPB Xote, Luizinho de Serra e Spok Quinteto.

“Em mais um aniversário/ O Mestre do Trocadilho/ Enobrece o calendário/ Reforça nosso estribilho/ Num janeiro pra dois reis/ Nossa Festa desta vez/ Chama todo o Pajeú/ Pra juntar num só Tesouro/ 102 Anos de Louro/ E 100 de Zezé Lulu!”, escreveram os netos de Louro, Antônio, Miguel e Greg, que formam o Em Canto e Poesia.

Bastava dar o mote – uma frase ou qualquer palavrinha que algum amigo soltasse - para Louro do Pajeú emendar e fazer poesia na hora, no improviso, impressionando outros cantores rivais e o felizardo público presente nesses momentos históricos. Louro não era simplesmente um poeta. Ele fez da vida poesia, e da própria casa, a morada de todos os poetas que chegavam a São José do Egito. (Jc Online)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial