INSS: Governo ataca para aprovar reforma da Previdência



O Estado de S.Paulo

Passado o recesso do carnaval, o governo abriu uma forte ofensiva para ver aprovada na Câmara a reforma da Previdência com o mínimo de mudanças no projeto original. Esse esforço, iniciado oficialmente nesta sexta-feira, 3, inclui ameaça de retirada de cargos dos parlamentares da base que votarem contra a medida; campanha nas redes sociais feita pelo PMDB afirmando que programas sociais, como o Bolsa Família, acabarão sem a aprovação da reforma, e o corpo a corpo que será retomado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, no Congresso.

Pela manhã, uma força-tarefa liderada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), esteve no gabinete de Meirelles. O que seria uma reunião rápida durou cerca de duas horas e, ao final, Maia, que defendia regras “mais escalonadas” para a transição ao regime de idade mínima de 65 anos para a aposentadoria, deixou o Ministério informando que havia mudado de ideia.

“Até semana passada eu defendia que podia ter um período um pouco maior, mas fui convencido de que não é necessário”, disse, na saída, acompanhado do novo líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e dos deputados José Carlos Aleluia (DEM-BA), Pauderney Avelino (DEM-AM), que integram a tropa de choque do governo na Comissão que avalia a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial