Após mudanças nas regras, valor pago em juros de cartão de crédito cai 41%




Passados seis meses das mudanças nas regras do rotativo do cartão de crédito e com sucessivas quedas na taxa básica de juros, a Selic, o brasileiro que precisou recorrer a esse instrumento não chegou a pagar metade do que desembolsa em juros antes da mudança.

Levantamento feito pelo aplicativo de controle financeiro GuiaBolso mostra que com as novas regras o peso dos juros ficou 41% menor do que era antes.

Entre abril e setembro deste ano (com as mudanças no cartão), o valor pago em juros pelos 524 mil usuários da plataforma foi de R$ 30,38 por mês. Se olhar para o período imediatamente anterior às mudanças, entre outubro de 2016 e março de 2017, os consumidores gastaram R$ 51,67 em juros em média.

O rotativo é acionado quando o cliente paga qualquer valor entre o mínimo da fatura e o total. Em março, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou um limite de uso do rotativo: 30 dias. Passado o período, haverá uma migração automática para o parcelado do cartão, que também tem um juro alto, embora menor do que o do rotativo, de 397,4% ao ano, segundo o Banco Central. O rotativo continua a mais cara linha de crédito.

A Selic, taxa básica de juros da economia e referência tanto para investimentos, sobretudo em renda fixa, como para os juros do crédito, caiu 4,75 pontos porcentuais de janeiro a setembro deste ano. Essa queda poderia ter ajudado os juros a caírem mais, sobretudo após as mudanças, explica Mauricio Godoi, especialista em crédito e professor da Saint Paul Escola de Negócios.

Na prática, se a Selic saiu dos 14,25% vistos no ano passado e pode chegar a 7% no fim do ano, o custo do dinheiro entre os bancos caiu a metade, mas a mesma proporção não foi repassada para os clientes. “Os juros dos investimentos vão caindo consideravelmente mas os juros do cartão não acompanham”, critica Godoi.

Ele explica que o descompasso ocorre principalmente por causa do risco de inadimplência, que na modalidade está em 39,2%, de acordo com o Banco Central. Por isso, mesmo com as novas regras do cartão de crédito, as condições para quem recorre a esse tipo de dívida continuam difíceis.

O valor mensal pago no parcelado do cartão, modalidade para onde vai consumidor que fica por mais de 30 dias no rotativo, aumentou 3%, segundo o estudo do GuiaBolso.

Antes das novas regras, os usuários gastavam, em média, R$ 388,42 mensais para pagar as dívidas do cartão de crédito. Com as mudanças, esse valor subiu para R$ 400,02. “Se tiver com o nome limpo, é melhor recorrer ao crédito consignado ou ao crédito pessoal, que é ainda mais barato”, aconselha Godoi.

Via Diario de Pernambuco

Comentários

Anterior Proxima Página inicial