Juízes federais ameaçam entrar em greve por causa do auxílio-moradia




Cerca de 100 juízes iniciaram um movimento para convencer outros magistrados federais a iniciar uma paralisação. A decisão veio após a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia, ter marcado para o próximo mês de março o julgamento que pode extinguir o auxílio-moradia.

De acordo com informações da Folha de S. Paulo, a ministra teria ignorado a ação sobre penduricalhos de tribunais estaduais. A diretoria da Associação dos Juízes Federais foi acionada e agora avalia se convoca ou não assembleia para tratar do tema.

Paralisação

A última vez que a classe entrou em greve foi em 1999 e a reivindicação foi por causa de reajuste de salário.

Os atos acontecerão em cinco capitais do país, no próximo dia 15 de março. Segundo a 'Frentas' (Frente Associativa da Magistratura e do MP), responsável pelo ato, o tema será 'Recomposição Salarial e Dignidade da Magistratura".

Defesa

O juiz Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos no âmbito da Operação Lava Jato na 1ª instância, se justificou nesta sexta-feira (2) sobre o fato de defender o auxílio moradia apesar de possuir um imóvel próprio em Curitiba. Segundo Moro, o benefício é uma forma de compensar a falta de reajuste salarial aos juízes federais, que estão sem aumento há três anos.

"O auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1 de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados", afirmou Moro.

Moro recebe o auxílio no valor de R$ 4.378 desde outubro de 2014, um mês após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux ter estendido o benefício a todos os magistrados, por meio de decisão liminar. Atualmente, mais de 17 mil magistrados recebem o auxílio. (JC Online)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial