Mamar em onça




Luís Jorge Natal – Blog Os Divergentes/Blog do Magno

Não, o Jair Bolsonaro não é candidato a presidente da República porque é das Forças Armadas. Existe uma parcela minoritária do eleitorado que tem saudades da ditadura militar; outra não viveu essa época, mas acredita em relatos edulcorados de quem louva o regime autoritário. Soma-se a essa saudade, misturada com ignorância, a raiva que a população hoje devota à classe política. O sentimento é este, mais do que desprezo. E é muito perigoso, já que provoca a total cegueira política. Os jovens e desinformados devem aprender que, na ditadura, também houve corrupção, contrabando, tráfico de drogas, má gestão e políticas públicas danosas aos cofres públicos. E devem saber também que havia tortura, assassinatos, desaparecimentos e uma censura total aos meios de comunicação.

Os saudosistas que apoiam esta candidatura maluca omitem um fato importante: ele só é candidato porque vivemos numa democracia. No regime militar, as escolhas eram feitas pelos comandantes – generais, almirantes e brigadeiros. Nenhum subalterno era ouvido. Ora, um capitão, como é o caso, seria, no máximo, um ajudante de ordens, um carregador de pasta, um abridor de portas. General nenhum daria cabimento a um capitão; é assim na hierarquizada rotina da caserna.

Então, está claro que a candidatura só é possível por causa da democracia. Ele não está disputando por ser militar, mas por ser deputado. É assim que é. Deputado há 28 anos, isso mesmo: 28 anos. Sempre eleito com o discurso belicista de extermínio da bandidagem. Ora, ele é representante de um Estado, o Rio de Janeiro, onde a marginalidade é mais ostensiva, ocupa o vácuo deixado por governos corruptos e ineptos. Apurem, vejam quantos desses governantes, alguns presos, contaram com o apoio do deputado. O sujeito não sabe cuidar da sujeira no próprio quintal e quer ensinar a limpar a casa inteira. Onde ele estava enquanto o Estado era saqueado? Nada sabe, nada viu? É, no mínimo, incompetência. Não há, nas propostas do candidato, nada parecido com o humanismo ou a preocupação com o próximo. Tudo nele representa atentados aos marcos civilizatórios.

Como cidadão, em pleno exercício dos direitos políticos, pode ser candidato. Mas só o é porque vivemos numa democracia, que não pode correr riscos por parte de quem não a defende. E saibam: ele não é o candidato das Forças Armadas. Representa a si e a minoritárias forças reacionárias, retrógradas e protofascistas. É candidato porque tem verba de gabinete, auxílio-moradia e passagens pagas. É candidato porque deixou a carreira militar pela metade para ser deputado, repita-se, há 28 anos. Exerce o mandato num ambiente que permite divergências, o contraditório, para louvar a barbárie, a tortura.

Por mais críticas que a política mereça, não há solução pacífica fora dela. E é por isso que o deputado tem que ser derrotado. A transparência política tem que servir como luz do sol para mostrar quem ele é o que e representa. É importante também destacar que essa candidatura não pode ser o escoadouro das insatisfações, frustrações, decepções e raiva dedicadas ao ex-presidente Lula e ao PT. Derrotar o deputado é preservar a democracia. Só o voto pode evitar a eclosão dos ovos da serpente.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial