Caminhoneiros cobram do governo diesel mais barato e ameaçam greve nacional




Milhares de caminhoneiros autônomos do país podem cruzar os braços a partir dessa segunda-feira, em uma manifestação que cobra do governo reduzir a zero a carga tributária sobre o diesel e que pode contar com apoio de outras categorias que têm no combustível o principal custo.

“Se hoje não tiver uma resposta (do governo sobre as reivindicações) até as 18h, a gente já vai começar a se preparar para parar a partir da segunda-feira”, disse o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes. “Tem hora e dia para começar, mas não para acabar”, acrescentou.

Questionado nessa sexta-feira, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, afirmou que o governo está sensibilizado com a alta dos preços e que já está discutindo formas para uma redução de impostos.

Uma paralisação no transporte poderia afetar, entre outros setores, a indústria de soja, cuja colheita no Brasil terminou recentemente. Isso em um momento em que o mercado internacional conta com o produto do país, o maior exportador global. O movimento promete ser mais forte justamente no Centro-Oeste e no Sul, as principais regiões brasileiras produtoras de grãos.

A entidade que organiza o protesto reúne cerca de 600 mil caminhoneiros autônomos de um total de cerca de 1 milhão de motoristas no Brasil e cobra o governo desde outubro do ano passado a queda nos custos do diesel.

Mais cedo, a Petrobras anunciou que vai subir os preços do diesel em 0,80 por cento e os da gasolina em 1,34 por cento nas refinarias a partir desse sábado, elevando os valores dos combustíveis a novas máximas de 2,3488 reais o litro de diesel e 2,0680 reais o litro de gasolina.

“Isso até parece que é para provocar a gente”, disse Lopes, sobre o novo reajuste anunciado pela petrolífera.

Desde que a Petrobras implantou em julho do ano passado sistema de reajustes de preços dos combustíveis quase que diários, que busca acompanhar as cotações internacionais do petróleo e o câmbio, o diesel e a gasolina tiveram aumento de quase 50 por cento nas refinarias da empresa, com uma boa parcela sendo repassada para os postos.

O setor de combustíveis, entretanto, afirma que boa parte do custo dos combustíveis na bomba se deve a impostos. No caso da gasolina, os tributos respondem por cerca de 50 por cento do valor nos postos.

A ameaça dos caminhoneiros está sendo feita em momento em que a federação de nacional de comércio de combustíveis (Fecombustíveis), que representa os donos de postos, também faz um apelo por mudanças tributárias, afirmando que a política de preços da Petrobras está causando prejuízos ao setor. Segundo a comunicado da entidade nesta semana, uma alteração nos tributos amenizaria as perdas.

Fonte: Reuters

Comentários

Anterior Proxima Página inicial