Mais da metade dos cigarros vendidos em PE são ilegais, diz pesquisa


JC Online

Mais da metade dos cigarros vendidos em Pernambuco são ilegais. Este dado foi divulgado em pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), juntamente com o Ibope, que registrou 55% deste produto sendo vendido no comércio do Estado. A prática, realizada por donos de grandes estabelecimentos e até ambulantes, causou um rombo de R$ 141 milhões nos cofres públicos neste ano, afirma a pesquisa.

O mercado ilegal deste produto no Estado atingiu, em 2018, 1,9 bilhões de unidades de cigarros e movimentou aproximadamente R$ 331 milhões. De acordo com estimativas da indústria, 71% do aumento do mercado ilegal de cigarros, entre 2014 e 2017, concentram-se em 10 municípios: Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Cabo de Santo Agostinho, Caruaru, Paulista, Camaragibe, São Lourenço da Mata, Vitoria de Santo Antão e Ipojuca.

A pesquisa ainda aponta que o mercado ilegal de cigarros atingiu um patamar inédito no Brasil. Em 2018, de acordo com levantamento do instituto, 55% de todos os cigarros vendidos no país são ilegais, um crescimento de seis pontos percentuais em relação ao ano anterior. Desse total, 50% foram contrabandeados do Paraguai e 5% foram produzidos por empresas que operam irregularmente no país.

Ainda segundo o apurado, 88% dos comércios vendem cigarros ilícitos em toda a região Nordeste. Isto equivale a 135 mil estabelecimentos - bares, padarias, mercados e bancas de jornal, além de ambulantes - que fornecem o produto contrabandeado.

A marca de cigarro importado do Paraguai mais vendida em Pernambuco é a Gift, que atinge 19% do mercado, à frente de todas as marcas produzidas legalmente no Brasil.

Operação Fumaça

A secretaria da Fazenda, por meio da Diretoria de Postos Fiscais (DPF), apreendeu, nessa terça-feira (18), cerca de 60 mil carteiras de cigarros, além de bebidas e mercadorias encontradas sem notas fiscais em estabelecimentos nos arredores do mercado São José, no bairro de mesmo nome, na área central do Recife.

Participaram da ação, quatro Auditores Fiscais, 14 Policiais Militares e cinco policiais da Delegacia de Crimes Contra Ordem Tributária (DECCOT). Segundo a DPF, esse tipo de operação fará parte do calendário de ações para 2019. A Diretoria também estabelece que durante o ano várias ações serão realizadas para combater a comercialização de cigarros ilegais em Pernambuco.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial