Procuradores da Lava Jato ironizaram morte de Marisa e de parentes de Lula


Integrantes da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba desconfiaram do real estado de saúde da ex-primeira-dama Marisa Letícia, ironizaram sua morte e o luto vivido pelo ex-presidente Lula. A situação ainda se repetiu durante as mortes de Vavá e Arthur, irmão e neto do ex-presidente, respectivamente. A informação foi revelada através de mensagens trocadas em chats do aplicativo Telegram e analisadas pelo UOL em parceria com o site The Intercept Brasil. 

A ex-primeira-dama sofreu um AVC hemorrágico no dia 24 de janeiro de 2017 e foi internada no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O fato se tornou assunto no chat Filhos de Januário 1, quando o chefe da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, comentou: "Um amigo de um amigo de uma amiga disse que Marisa chegou ao atendimento sem resposta, como um vegetal", a mensagem foi respondida por Januário Paludo "Estão eliminando as testemunhas....". 

A morte encefálica de Marisa Letícia foi confirmada alguns dias depois, em 3 de fevereiro de 2017. Um dia antes, a procuradora Laura Tessler insinua que o ex-presidente Lula faria uso do fato em seus depoimentos: "quem for fazer a próxima audiência do Lula, é bom que vá com uma dose extra de paciência para a sessão de vitimização".

Quando a morte de Marisa foi confirmada oficialmente, a notícia foi divulgada por Julio Noronha no grupo, ao que Jerusa Viecili respondeu: "Querem que eu fique pro enterro?".

No dia seguinte, a colunista da Folha de S. Paulo, Mônica Bergamo, publicou uma nota que tratava da tensão vivida pela ex-primeira-dama nos seus últimos dias de vida, comentando que o agravamento na piora do estado de saúde de Marisa teria relação com o mandado de busca e apreensão cumprido em sua casa e de seus filhos, além da condução coercitiva de Lula, após determinação do então juiz Sergio Moro. A notícia foi compartilhada no grupo da força-tarefa pela procuradora Laura Tessler, que recusou prontamente a relação dos fatos. Januario Paludo então respondeu "(...) A propósito, sempre tive uma pulga atrás da orelha com esse aneurisma. Não me cheirou bem. E a segunda morte em sequência". Por: Danielle Santana - Diario de Pernambuco


Comentários

Anterior Proxima Página inicial