Minas já tem 110 casos suspeitos de febre amarela e realiza vacinação domiciliar


Léo Rodrigues - Correspondente da Agência Brasil

Em boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (12), a Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa que o número de casos suspeitos de febre amarela no estado já somam 110 este ano. Destes, 20 são tratados como casos prováveis, cujos pacientes apresentaram exame laboratorial preliminar positivo. No entanto, a confirmação final demanda investigação de outros fatores. Os outros 90 casos ainda estão sendo analisados.

O governo mineiro também informa que, dos 30 óbitos suspeitos, 10 já são considerados prováveis. As mortes ocorreram nos municípios de Ladainha, Ubaporanga, Ipanema, Itambacuri, Malacacheta e Piedade de Caratinga. A recomendação para a população é manter em dia a vacinação contra febre amarela, disponibilizada gratuitamente nos postos de saúde através do Sistema Único de Saúde (SUS). A aplicação ocorre em dose única, devendo ser reforçada após 10 anos.

No caso de recém-nascidos, é administrada uma dose aos nove meses e um reforço aos quatro anos. Mas, como se trata de uma situação atípica, que inspira cuidados, nas regiões afetadas, bebês com seis meses estão recebendo duas doses com intervalo de 30 dias.

A SES-MG alerta que pessoas que nunca se imunizaram contra a febre amarela e moradores das áreas suspeitas devem se vacinar com urgência. Quem for viajar a estes locais deve ir ao posto de saúde com 10 dias de antecedência. O governo mineiro está realizando vacinação domiciliar nas regiões mais distantes do centro das cidades com registro da doença. Esta é, porém, uma medida complementar. A recomendação é que a população em geral se dirija a um posto de saúde.

O Ministério da Saúde enviou 285 mil doses da vacina, para reforçar o estoque de 280 mil que Minas já possuía. O governo mineiro afirma que não há risco de desabastecimento, mas informa que as prefeituras devem se organizar para solicitar o quantitativo suficiente. "Pode haver a falta pontual em alguns municípios, pois alguns não dispõem de estrutura para armazenar grande quantidade da vacina", disse a SES-MG em nota.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial