PARABÉNS PARA ISABELLY FERREIRA

PARABÉNS PARA ISABELLY FERREIRA

Trump leva o caos à Casa Branca



El País

Desde que no último 20 de janeiro tomou posse no cargo de presidente dos EUA Donald Trump iniciou uma agenda de eventos que se sobrepõem vertiginosamente: afastou uma Procuradora-Geral, aceitou a demissão do general Michael Flynn do posto de assessor de Segurança Nacional, desdenhou dos serviços de Inteligência, deu ordem para a construção de um muro na fronteira com o México, retirou seu país da Parceria Transpacífico, criou problemas com o Google, com a Apple e com o Facebook, irritou a União Europeia, rasgou-se em elogios a Vladimir Putin, ofendeu os líderes da China, da Austrália e do México, proibiu a entrada nos EUA de milhares de muçulmanos, entrou em choque com as Cortes de Justiça, fez da Imprensa seu saco de pancadas e desprezou a força do mais importante símbolo do poder norte-americano, a Casa Branca, impondo ali um estrondoso caos.

Tudo isso em 31 dias, pouco mais de 700 horas. Para qualquer governante, muito pouco tempo, mas no caso de Trump o suficiente para fazer soar todos os alarmes, dentro e fora de seu país. “Nunca fiquei tão assustado com o que possa vir a acontecer em Washington. Se houver uma crise, não sei se poderão enfrentá-la de modo racional”, alertou Leon Panetta, antigo Secretário da Defesa e ex-diretor da Cia. “Nossa administração vive em uma incrível desordem e espero que não continuem assim porque somos uma nação em guerra”, falou o respeitado general Tony Thomas, chefe do Comando de Operações Especiais.

Foi um espetáculo inédito, mas não se pode dizer que não era esperado. Fiel a si mesmo, o presidente americano não desembarcou da locomotiva veloz na qual embarcou desde muito jovem. Tampouco abandonou a demagogia nem seu amor pelo corpo a corpo.
los.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial