Prova de concurso da PM-PI é anulada após vazamento de questões e prisão de candidatos




O Núcleo de Concursos e Promoção de Eventos (Nucepe) decidiu anular a prova objetiva para o concurso da Polícia Militar do Piauí após a prisão de 12 candidatos suspeitos de tentativa de fraude. A decisão foi tomada no final da manhã desta segunda-feira (22) depois de uma reunião com a Secretaria de Segurança e Comando Geral da PM. Segundo o presidente do Nucepe, Pedro Júnior, há fortes indícios de que questões da prova de português vazaram.

O comandante da Polícia Militar, Carlos Augusto, informou que a nova prova deve ser aplicada no prazo de 30 dias. O comando vai se reunir com a Nucepe para definir a data e a intenção é manter as demais etapas e edital inalterados. Para a reaplicação das provas não serão reabertas as inscrições do concurso e os candidatos inscritos são mantidos, com exceção dos suspeitos de fraude que foram eliminados do certame.

“Vamos fazer uma força tarefa com o Nucepe para elaborar a prova. Novas medidas de segurança serão adotadas, inclusive internas, para evitar novas fraudes. O importante aqui é para os demais candidatos que se prepararam e também tiveram prejuízos, mas prejuízo maior seria continuar com algo que teve suspeita de fraude logo no início. Vamos repetir as provas quantas vezes forem necessárias”, enfatizou Carlos Augusto.

Das 12 pessoas presas, duas pagaram fiança e já foram liberadas. Os candidatos em liberdade foram os flagrados com as questões da provas e agora serão investigados pela Polícia Civil. Confirmadas as suspeitas, os envolvidos no esquema responderão por fraude ao certame de interesse público.

O Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) apreendeu colas e informações de trechos da prova de português com dois candidatos. “Durante a operação constatamos dois tipo de fraude: um que compromete a lisura do concurso, quando dois candidatos foram flagrados com cinco questões da prova de português, e outro que não compromete, mas vai contra o edital que foi candidatos com celulares e outros com gabaritos que não foram comprovados como oficiais”, informou o delegado Kleydson Ferreira.

Ainda de acordo com o delegado, os aparelhos apreendidos são produzidos a partir de um material que não consegue ser identificado ao passar pelo detector de metais. Diante disso, a Secretaria de Segurança deve reforçar os mecanismos para impedir que esses dispositivos entrem nos locais de prova.
O delegado Willame Moraes, coordenador do Greco, frisou que as investigações continuam e detalhes sobre os investigados não serão revelados para não atrapalhar a ação policial.

As provas foram aplicadas nesse domingo (22) em Teresina. Um total de 32.010 candidatos se inscreveram para concorrer às 480 vagas ofertadas pela PM-PI. “A anulação dessa etapa acontece também para preservar a imagem do Nucepe e mantemos a postura de afirmar que não tem ninguém do Núcleo envolvido na tentativa de fraude”, falou o presidente do Nucepe, Pedro Soares.

Via G1

Comentários

Anterior Proxima Página inicial