A 5 meses da eleição, não se sabe o que pensa Barbosa



Ranier Bragon – Folha de S.Paulo

Daqui a exatos cinco meses os brasileiros irão às urnas escolher o novo presidente da República, mas um dos principais nomes da disputa abriga-se até agora debaixo de um confortável e enigmático silêncio.

Se ainda faltavam exemplos de como precisamos aperfeiçoar nossa jovem democracia, Joaquim Barbosa está aí para nos lembrar disso. 

Há quatro anos ausente da vida pública após se aposentar no Supremo, o ex-ministro de 63 anos —faz 64 justamente no dia do 1º turno— arrasta-se há meses no suposto dilema de se lançar oficialmente na disputa ou continuar fora da política.

Por mais sinceras que sejam suas dúvidas, por mais real que seja a resistência familiar e de setores do PSB, partido ao qual se filiou, trata-se da candidatura ao comando de um país de 209 milhões habitantes e problemas pra dar, vender e exportar.

Já passou da hora, faz muito tempo, de Joaquim Barbosa anunciar publicamente se pretende de fato se lançar a esse monumental desafio, e daí se submeter abertamente e sem melindres a todo o extenso, rigoroso e necessário escrutínio público. Ou se vai ficar de fora dessa —e aí ninguém vai ter nada a ver com isso.

Faltando apenas cinco meses para o dia D, o que Barbosa pensa sobre a economia? Está boa, tem que manter isso, viu, não tem? Da política? Do Congresso? Da miséria, do desemprego, da morte da bezerra? 

O que pensa hoje Barbosa sobre sua atitude de 2013, quando presidia o STF e mandou o jornalista Felipe Recondo chafurdar no lixo? A atitude lhe rendeu uma condenação por danos morais. Arrependeu-se ou acha que agiu de forma correta?

Sobre tudo isso e algo mais, as precárias informações brotam de restritos interlocutores, escassos pronunciamentos ou limitadas análises de sentenças dos anos de toga.

Barbosa parece ainda apegado a maneirismos imperiais de um mundo jurídico cerimonialista e blindado do contraditório. Cenário inimaginável para um candidato a presidente de um país que se quer democrático e com instituições sólidas.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial