Cancelamento de fala à imprensa causa dano à imagem da comitiva brasileira em Davos


O cancelamento de uma fala à imprensa do presidente Jair Bolsonaro e dos ministros Sérgio Moro (Justiça), Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) causa um dano enorme à participação da comitiva brasileira em Davos.

O encontro com jornalistas estava previsto para 13h (horário de Brasília). Quando chegou perto da hora marcada, Bolsonaro decidiu ir para o hotel. Segundo a assessoria da Presidência, ele estava cansado e precisava se poupar fisicamente.

O cancelamento frustrou a expectativa dos participantes do Fórum de ouvir a comitiva brasileira mais detalhadamente sobre as propostas do novo governo.

Especialmente, essa seria a oportunidade para Paulo Guedes expor com mais abrangência suas ideias na economia.

Até aqui, o ministro da Economia tem feito reuniões fechadas com autoridades de outros países e investidores. A receptividade às ideias do ministro tem sido muito boa. Perdeu-se uma ocasião em que ele pudesse apresentá-las publicamente. O cancelamento desorganizado da fala à imprensa prejudicou a estratégia de Guedes.

Investidores que pensam em pôr dinheiro no setor produtivo do Brasil, como projetos de infraestrutura e abertura de empresas, são racionais e não se apavoram com um cancelamento de entrevista. O que eles analisam são as propostas do governo e a capacidade de colocá-las de pé.

No entanto, o cancelamento desorganizado, da forma como ocorreu, pode desgastar a imagem do presidente Bolsonaro diante de situações de pressão. Isso não é um bom sinal para um presidente, especialmente em um ambiente como Davos, em que todos estão de olho nos primeiros passos do novo governo brasileiro. (BLOG DO JOÃO BORGES)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial