Partidos articulam bloco contra Maia para forçar segundo turno na disputa pela Câmara


Favorito na disputa pela presidência da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) deve enfrentar um bloco de pelo menos quatro partidos, com candidatos diferentes, na eleição de 1º de fevereiro. O grupo pretende evitar que Maia obtenha maioria e vença já no primeiro turno. A intenção é forçar uma segunda rodada de votações, na qual todos se uniriam para evitar um terceiro mandato consecutivo do deputado do DEM. Também pesa na articulação a busca por cargos na Mesa Diretora.

A partir desta semana, Maia deve ganhar um novo concorrente, segundo deputados ouvidos pelo Congresso em Foco: o líder do PP, Arthur Lira (AL), tem dialogado com outros partidos, da direita à esquerda, para oficializar sua candidatura. Nessa segunda (6), ele se reuniu com o líder do PDT, André Figueiredo (CE), e com o líder da minoria, José Guimarães (PT-CE). Procurado pela reportagem, Lira não atendeu às ligações para comentar sua candidatura à presidência da Casa.

O acordo fechado por Maia com o PSL, do presidente Jair Bolsonaro, envolvendo o comando das comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Finanças e Tributação, além de cargo na Mesa, afastou da aliança com o presidente da Câmara siglas da centro-esquerda e da esquerda, como PDT, PT e PCdoB, que estavam em fase adiantada de negociação com ele.

Maia tem bom trânsito com partidos mais à esquerda, inclusive o PT, e disse que gostaria de contar com o apoio da maior bancada da nova Câmara, com 56 deputados. Na semana passada, após o anúncio do apoio do PSL, o deputado avisou ao PSL que vai procurar o PT em busca de aliança. A presidente do partido e deputada eleita, Gleisi Hoffmann (PR), já descartou qualquer possibilidade de votar junto com a legenda de Bolsonaro. (CongressoemFoco)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial