Haddad diz que Bolsonaro vive em 'mundo paralelo'


O candidato derrotado à Presidência Fernando Haddad (PT) disse que o presidente Jair Bolsonaro "vive num mundo paralelo" e que, além de cortes em setores essenciais como educação e saúde, sua "única medida concreta foi o fim do horário de verão". Na última sexta-feira (10) Haddad esteve no Rio de Janeiro, onde à noite participou de um evento em defesa da educação pública, na Cinelândia (região central).

"Bolsonaro não toma uma única medida que traga alguma esperança ao povo brasileiro. A única medida concreta que ele anunciou até agora foi o fim do horário de verão. O resto é aumento de diesel, aumento da gasolina, corte da Previdência, corte da educação, corte da saúde", afirmou Haddad.

"O presidente só faz agradar a bandeira e o presidente norte-americano, em vez de prestar contas do que pretende fazer com nosso País", criticou o petista. "Bolsonaro tem problemas graves, e não falo dos problemas pessoais e familiares, falo dos problemas que afetam a vida nacional. Ele tem problemas filosóficos, sociológicos e psicológicos. Ele vive num mundo paralelo. Aquele astrólogo manda mensagens para ele e é de lá que o País está sendo governado", disse, referindo-se a Olavo de Carvalho, que mora nos Estados Unidos.

O ato teve a participação de vários outros políticos de esquerda, como os deputados federais Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Benedita da Silva (PT-RJ). Ao discursar, todos eles ressaltaram que na próxima quarta-feira, 15, está planejada uma greve nacional de educação, organizada por diversas entidades ligadas ao tema.

"Bolsonaro disse hoje que semana que vem vai ter um tsunami no governo dele. Não sei a que ele se refere. Ele não estava se referindo à educação, mas o maior tsunami que ele vai sofrer no governo é o da educação. Enquanto ele não devolver para o MEC cada centavo que ele tirou na semana passada, não vamos sair das ruas. Os estudantes sabem o que está em jogo", criticou Haddad, referindo-se aos cortes anunciados pelo Ministério da Educação nas verbas destinadas principalmente às universidades. "No dia 15 vamos à rua gritar 'tire as patas da educação, Bolsonaro'", completou o petista. (Estadão Conteúdo)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial