Ao liberar agrotóxicos, Brasil vai na contramão da tendência mundial, diz Le Monde


O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde dessa quinta-feira (27) traz uma reportagem de meia página sobre o Brasil. O artigo alerta, com preocupação, para o possível impacto na saúde da população com a liberação de mais de 200 agrotóxicos pelo governo brasileiro, desde janeiro.

O texto, assinado pela correspondente do Le Monde no Brasil Claire Gatinois, começa relatando a decisão de Johannes Cullberg, dono de uma rede de supermercados na Suécia, que boicotou os produtos brasileiros em razão da presença de agrotóxicos. A jornalista diz que o episódio pode parecer insignificante, afinal o sueco dirige apenas quatro supermercados. No entanto, a história, que viralizou nas redes sociais após a criação do #boycottbralizianfood, irritou muito em Brasília, explica a matéria.

A ministra brasileira Tereza Cristina acusa o sueco de difamação, relata Le Monde. A representante do governo teria alegado que se os alimentos brasileiros estivessem realmente impregnados de substâncias nocivas para a saúde, o Brasil não exportaria tantos produtos com sucesso para 160 países.

No entanto, ressalta o texto, a ministra "esquece de mencionar que um carregamento de soja brasileira já foi bloqueado em fevereiro na fronteira da Rússia por ter ultrapassado os limites autorizados de resíduos de glifosato", controverso herbicida acusado várias vezes de provocar câncer.

A reportagem do vespertino também lembra que a ministra brasileira não tem boa reputação, e chegou a ser apelidada de "musa do veneno", em referência ao polêmico texto que apoia a aceleração das autorizações para o uso de agrotóxicos, defendido por Tereza Cristina.

Apesar de ser contestado por defensores do meio ambiente, o projeto ganha força, principalmente "com a chegada ao poder no Brasil de uma extrema direita que vê o aquecimento do planeta como um complô marxista", frisa Le Monde, em alusão à incredulidade do governo Bolsonaro diante dos alertas ligados às mudanças climáticas. (NotíciasUOL)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial