Bolsonaro leva brasileiros a se endividarem cada vez mais


Dados do Banco Central apontam que a taxa de endividamento das famílias em relação à renda acumulada em 12 meses em maio, chegou a 44,04%, o maior índice desde abril de 2016 (44,2%).

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), confirma o dado do BC e amplia a análise sobre a difícil situação financeira dos brasileiros. Confira aqui a análise completa da pesquisa.

CUT convoca ato contra o fim da Previdência em São Paulo nesta terça

Segundo a CNC, em julho deste ano, aumentou para 64,1% o percentual de famílias com dívidas. Elas não conseguiram pagar os cheques pré-datados, faturas de cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro. Em julho de 2018, a taxa era de 59,6% do total de famílias.

A proporção de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam com os nomes sujos, impossibilitadas de conseguir crédito, passou de 9,5% em junho de 2019 para 9,6% em julho, apresentando alta também em relação aos 9,4% verificados em julho de 2018.

O cartão de crédito continua sendo apontado em primeiro lugar como um dos principais tipos de dívida por 78,4% das famílias endividadas, seguido por carnês, para 16,2%, e, em terceiro, por financiamento de carro, para 10,2%. Para as famílias com renda até dez salários mínimos, o cartão de crédito, por 78,9%, carnês, por 17,2%, e financiamento de carro, por 8,6%, foram os principais tipos de dívida apontados.

Entre as famílias com renda acima de dez salários mínimos, o cartão de crédito também aparece em primeiro lugar como principal responsável pelo endividamento, 76,5% dos entrevistados. Em segundo lugar está o financiamento da casa própria (18,1%), e em terceiro o financiamento do carro (17,9%).

As informações são da CUT/Blog do Esmael

Comentários

Anterior Proxima Página inicial