Estudo estima valor socioambiental das reservas legais no Brasil: R$ 6 trilhões por ano


Os serviços ambientais prestados pela cobertura de vegetação nativa existente na Reserva Legal e em áreas não protegidas de propriedades privadas do Brasil são da ordem de R$ 6 trilhões. Esse é o valor atribuído aos benefícios econômicos — tais como captação de água doce e regulação climática — proporcionados por florestas e outros ecossistemas naturais, estimam pesquisadores da ABECO (Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação) e da Coalizão Ciência e Sociedade (grupo de cientistas que monitora questões socioambientais e políticas públicas no Brasil). Um estudo detalhando a estimativa foi publicado na última edição do periódico “Perspectives in Ecology and Conservation”.

O estudo destaca em especial o papel das Reservas Legais, áreas de proteção obrigatória em propriedades privadas. Motivados pelas ofensivas que essa regra fundiária vem sofrendo em projetos de leis recentes, os cientistas calcularam o tamanho de sua importância. Se a Reserva Legal acabar, uma área de vegetação nativa com o tamanho de Itália, Alemanha, França e Espanha somadas (167 milhões de hectares) perderá a proteção e poderá ser legalmente desmatada. Isso equivale a 29% de toda a vegetação nativa remanescente no país.

Somada à área onde o corte já é autorizado, a área desprotegida total ficaria do tamanho da Argentina inteira (270 milhões de hectares), ou 46% do Brasil. O desmate de um território dessa magnitude comprometeria os R$ 6 trilhões de serviços ambientais que essas áreas geram por ano. (Os serviços ambientais prestados pela Reserva Legal, apenas, são estimados em R$ 3,6 trilhões.)

Buscando construir um consenso sobre esse conhecimento no país, o estudo envolveu o trabalho de dez autores e é subscrito por 407 pesquisadores de 79 instituições acadêmicas brasileiras. “Nosso objetivo é subsidiar o poder legislativo do país com uma medida correta da importância das reservas legais”, afirma o biólogo Jean Paul Metzger, da Universidade de São Paulo, que coordenou o trabalho. “Existe muita desinformação se propagando sobre o tema, e consideramos fundamental que qualquer legislação sobre vegetação nativa do Brasil seja discutida com base científica sólida.” (Sul 21)

Veja matéria completa aqui!

Comentários

Anterior Proxima Página inicial
Blog do Ivonaldo Filho - Todos os Direitos Reservados. Tecnologia do Blogger.