Greenpeace faz protesto e joga 'óleo' em frente ao Palácio do Planalto


Foto: Adriano Machado/Greenpeace
JC Online/com informações do portal G1

Ativistas do Greenpeace jogaram óleo em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília, na manhã desta quarta-feira (23), em protesto contra a política ambiental do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Segundo a ONG, ação critica "a lentidão" do governo para conter o vazamento de óleo que atingiu 194 praias nos nove estados do Nordeste desde o começo de setembro. As informações são do portal G1.

Os manifestantes colocaram barris de petróleo em frente à sede da Presidência da República, espalharam areia sobre uma lona azul, simulando a praia, e despejaram uma mistura de óleo e tinta para simular a substância oleosa encontrada no litoral nordestino.

“Este é um protesto contra a política antiambiental e de desmonte da proteção e da gestão ambiental no Brasil que vem sendo promovida pelo governo Bolsonaro desde o início do mandato”, explicou Thiago Almeida, porta-voz do movimento para questões sobre clima e energia.

Queimadas

O grupo também levou galhos de árvores e fotografias para retratar o desmatamento e as queimadas que atingem a Amazônia.

Frases como "Brasil manchado de óleo" e "Pátria queimada Brasil" foram ouvidas durante a manifestação e estavam estampadas nas camisas pretas vestidas pelo grupo.

Resposta do governo

Em nota ao portal G1, o Ministério do Meio Ambiente disse que os manifestantes depredaram o patrimônio público. “Não bastasse não ajudar no esforço de limpeza das praias, o Greenpeace ainda depreda patrimônio público.”

Atrito com ministro

Na segunda-feira (21), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, publicou em seu perfil no Twitter uma crítica à ONG ambientalista Greenpeace. Salles usou um trecho de um vídeo publicado pela organização onde um ativista afirma o motivo do grupo não estar ajudando na limpeza das praias.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial