Huck elogia políticas de Lula e diz que Brasil pode "implodir" se não cuidar do povo

O apresentador Luciano Huck fala durante a Expo Magalu, realizada no Expo Center Norte, na zona norte da capital paulista - Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Indagado sobre a possibilidade de ocorrerem no Brasil manifestações de rua semelhantes às que têm balançado o Chile nos últimos dias, o apresentador Luciano Huck, apontado como possível candidato à Presidência em 2022, disse que, se o Estado brasileiro não aliar políticas sociais eficientes às ações liberais, o País pode sofrer uma convulsão social em médio prazo.

"É óbvio que a gente tem que tentar construir um País eficiente em termos de gestão, mas ele tem que ser afetivo. Se a gente não cuidar das pessoas, este País vai implodir porque ele é muito desigual", disse Huck durante o 12º Encontro de Líderes da Comunitas realizado hoje em São Paulo.

Diante de uma plateia composta por governadores e alguns dos mais importantes empresários do País, Huck disse que o Chile, até pouco tempo apontado como exemplo de eficiência fiscal e de sucesso do modelo liberal, deve servir de exemplo para o Brasil.

"O Chile, quando você conversa com os liberais, até 15 dias atrás era o 'state of art' (estado de arte). Só que esqueceram das pessoas. Então virou exemplo de eficiência sem afetividade. O que está acontecendo no Chile tem que ser uma lição", disse o apresentador.

Huck, mais uma vez, se esquivou de responder se pretende ser candidato em 2022. Segundo ele, a discussão é prematura, faltando três anos para as eleições. Questionado sobre as candidaturas avulsas, disse ser contra. O apresentador, no entanto, afirmou que pretende continuar participando e opinando sobre os grandes problemas nacionais.

O modelo liberal, disse, deve ser acompanhado daquilo que chama de "afetividade", sob o risco de a desigualdade social, em algum momento, gerar reações populares semelhantes à do país andino.

"Concordo com as teses liberais. O que eu tenho dito aqui na (Avenida) Faria Lima (centro financeiro de São Paulo) é que, se o País estiver crescendo, for mais eficiente, desburocratizado, com acesso ao crédito e se você puder sair na rua e não for assaltado, está bom. Está tudo certo. Mas existe um outro lado de São Paulo e do Brasil que precisa de muita atenção e o Estado vai ter que participar", afirmou Huck. "Não acho que vá eclodir alguma manifestação popular no curto prazo no Brasil, mas se a vida não melhorar para valer...", sugeriu o apresentador. 

Comentários

Anterior Proxima Página inicial