Incêndios na Amazônia afetam crianças e custam R$ 1,5 milhão ao SUS


Pesquisadores da Fiocruz, da USP e da Unemat (Universidade do Estado de Mato Grosso) divulgaram nesta quarta-feira (2) resultados de um estudo sobre os efeitos que as queimadas na região na Amazônia Legal têm provocado sobre a saúde infantil.

Os dados mostram que, entre maio e junho deste ano, as internações de crianças com menos de 10 anos que apresentavam problemas respiratórios chegaram a 5.091, o dobro em relação à média calculada para o mesmo período na série histórica dos últimos dez anos. As informações são da Agência Brasil.

Esse aumento, puxado por aproximadamente 100 municípios situados próximos a áreas mais afetadas por incêndios, representa um custo excedente de aproximadamente R$ 1,5 milhão ao SUS (Sistema Único de Saúde). Foram 2.502 internações acima do esperado.

Cada internação dura em média quatro dias, custando R$ 630. Em cinco cidades, o número de internações foi cinco vezes maior do que a média observada nos meses de maio e junho entre 2008 e 2018: Santo Antônio do Tauá, Ourilândia do Norte e Bannach, no Pará; Santa Luzia d'Oeste (RO); e Comodoro (MT).

"Isso é só de internações em hospitais que atendem pelo SUS. Não estão sendo contabilizados atendimentos em pequenas unidades de saúde nem os domiciliares pelo médico de família. As internações na rede privada também não entram nessa conta", disse pesquisador da Fiocruz Christovam Barcellos.

O estudo foi realizado com base em informações públicas reunidas no SIH (Sistema de Informações Hospitalares) do DataSUS (Departamento de Informática do SUS). Foi feita uma varredura para separar apenas os dados de internação hospitalar dos meses de maio e junho, o último período disponível. Por: Folha Press

Comentários

Anterior Proxima Página inicial