STF decide liberar repasse de dados em investigações como a de Flávio Bolsonaro

Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

O STF retomou nesta quinta-feira (28) o julgamento sobre o uso de dados sigilosos em investigações sem autorização prévia da Justiça e decidiu liberar o compartilhamento de informações pela Receita com o Ministério Público, sem restrições.

A situação do antigo Coaf, rebatizado de UIF (Unidade de Inteligência Financeira), não está clara. Somente os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes fizeram ressalvas quanto ao procedimento de repasse de dados pela UIF, vedando relatórios "por encomenda do Ministério Público".

Toffoli também votou por proibir a Receita de compartilhar extratos bancários e declarações de IR na íntegra.

Leia também:

Ministério Público do Rio abre 3ª investigação contra Flávio Bolsonaro
Toffoli busca descolar Flávio Bolsonaro de debate sobre dados sigilosos

Já os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes votaram em favor de permitir o compartilhamento amplo de dados da Receita, inclusive dos documentos na íntegra.

Com exceção de Gilmar, esse grupo não fez ressalvas à atuação da UIF. Parte dele (Barroso, Rosa, Cármen e Lewandowski) votou para que o tema da UIF nem sequer faça parte do julgamento, pois o processo original tratava apenas da Receita.

Diferentemente dos colegas, os ministros Marco Aurélio e Celso de Mello votaram contra a possibilidade de a Receita compartilhar quaisquer dados sigilosos com investigadores criminais. Marco Aurélio não mencionou a UIF em seu voto, enquanto Celso considerou que ela pode continuar a elaborar seus relatórios de inteligência.

O tema da UIF entrou no processo em julho, quando a defesa do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, pediu ao STF para suspender uma investigação sobre ele no Rio de Janeiro.

A investigação havia partido de um relatório da UIF. Toffoli paralisou, na ocasião, todas as investigações e ações penais do país que haviam usado dados detalhados de órgãos de controle (Receita, UIF e Banco Central) sem autorização judicial prévia.

Ao final, os ministros deverão fixar uma tese que servirá de norte para a atuação dos órgãos de controle.

Se a UIF for incluída na tese e não houver ressalvas à sua atuação, como votou a maioria, a apuração sobre Flávio deverá estar liberada para prosseguir. 
Por: Folhapress/Folha de Pernambuco.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial