Presídios de São Paulo têm fugas e rebeliões

Detentos fazem rebelião no Pemano em Tremembé; bombeiros foram acionados para apagar incêndio em colchões — - Foto: Arquivo pessoal

Cerca de 400 detentos fugiram de uma unidade prisional em Mongaguá, na Baixada Santista, nesta segunda-feira (16). Houve ainda rebeliões em mais três presídios do interior de São Paulo: Tremembé, Mirandópolis e Porto Feliz.

As ações dos detentos ocorreram após a Corregedoria-Geral da Justiça suspender a saída temporária dos presos em regime semiaberto. A saída estava prevista para ocorrer nesta terça (17). A suspensão foi definida devido ao temor de que os presos retornassem às prisões com coronavírus e transmitissem a doença aos demais detentos.

Em nota emitida no final da noite de segunda, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou que a situação estava "controlada nos Centros de Progressão Penitenciária de Mongaguá, Tremembé e Porto Feliz, além da ala de semiaberto da Penitenciária II de Mirandópolis, onde houve evasão de presos e ato de insubordinação". "O Grupo de Intervenção Rápida controlou a situação nos presídios de forma imediata", diz o comunicado.

A nota informa ainda que "até as 22h30, 174 presos foram recapturados pela Polícia Militar com apoio de agentes de segurança penitenciária. A SAP realiza a contagem para determinar o número exato de fugitivos".

Em outra nota, divulgada na tarde de segunda, a SAP informou que "a medida [de suspender as saídas temporárias] foi necessária pois o benefício contemplaria mais de 34 mil sentenciados do regime semiaberto que, retornando ao cárcere, teriam elevado potencial para instalar e propagar o coronavírus em uma população vulnerável, gerando riscos à saúde de servidores e de custodiados." (Texto: G1)

Comentários

Anterior Proxima Página inicial