quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Danilo Cabral: 'Se precisar usar a lista, nós usaremos'


O deputado federal Danilo Cabral já recolheu 17 assinaturas, visando a ocupar a liderança do PSB na Câmara Federal. Isso equivale à maioria em uma bancada de 29 parlamentares. Ele trabalha para suceder o deputado Tadeu Alencar. Danilo realça que a prioridade é "construir a unidade da bancada", mas adverte: "Agora, sabendo que nós temos, caso esse entendimento não seja consolidado, um documento que nos coloca na condição de líder a partir de fevereiro desse ano". Danilo refere-se à lista de assinaturas, instrumento regimental para indicação do líder. O parlamentar começou a recolher apoios no ano passado, quando um debate sobre a liderança fora aberto, e assegura que o documento: "Tem validade". Há de se considerar que Pernambuco exerce um protagonismo no PSB nacional devido a, entre outros fatores, ao desempenho eleitoral que expressa no Estado.

A manutenção da liderança com Pernambuco não deixa de ser uma forma de seguir adubando essa representatividade. O nome que concorre com Danilo é Alessandro Molon, do Rio de Janeiro. O atual líder Tadeu Alencar, no entanto, já realçou que a disputa não diz respeito a um "acordo territorial" e, com a bancada dividida, Tadeu defendeu ainda, à coluna, que "lista de assinaturas é bom para não usar". Danilo, por sua vez, recorda episódios antigos de uso da lista. "O próprio deputado Tadeu Alencar fez uso de um documento quando do entendimento com o deputado Júlio Delgado. Júlio poderia ser líder em 2018, porque vinha em ato de substituição de Tereza Cristina (ex-PSB) e, na época, foi proposto entendimento, mas Tadeu fez questão que saísse documento dizendo que ele era líder a partir de junho de 2018". Danilo relata ainda o episódio que resultou na saída de Tereza Cristina da liderança: "Ela saiu no meio de um mandato por conta de uma lista". Danilo diz não ser a favor de uma disputa de listas, como ocorreu, recentemente, no PSL, mas defende que "não há aspecto ilegítimo" no documento e adianta: "Se precisar usar a lista, nós usaremos a lista".

Digital de Paulo Câmara

Indagado sobre a importância de o PSB ter um líder de Pernambuco na Câmara Federal, Danilo Cabral assegura que Paulo Câmara "tem trabalhado por esse entendimento". Danilo assinala: "O governador já demonstrou essa simpatia, digamos assim, pelo nosso nome, o que foi tornado público por vocês mesmos da Imprensa".

Empenho > Danilo emenda: "E, claro, que ele trabalha, até porque isso é o estilo do próprio governador, pela construção desse entendimento. Ele tem trabalhado por esse entendimento".
Neuronha > Paulo Câmara e Raul Henry tiveram novo encontro que se deu em ambiente praiano. Desta vez, em Fernando de Noronha. Paulo foi protagonizar inauguração da reforma do porto. Henry chegou depois. O tempo comum na ilha foi curto, mas rendeu programação conjunta.

Oportunidades > Recentemente, Henry já havia recebido Câmara em sua casa, em Serrambi. O emedebista repisa que não conversa política nessas ocasiões com o governador, mas já houve tempos em que os encontros dos dois andaram bem mais raros.

No máximo - O ex-presidente Lula já havia adiantado, ao Uol, que defende candidatura de Marília Arraes no Recife e que um eventual apoio ao PSB só se daria em caso de 2º turno. Ontem, a reunião do PT, em São Paulo, a qual antecipamos na Rádio Folha FM 96,7, rendeu uma data para definição da estratégia que o PT adotará na Capital: final de março, início de abril. Por: Renata Bezerra de Melo da Folha PE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário