domingo, 16 de agosto de 2020

Violência contra a mulher recua em Pernambuco

Pernambuco teve uma queda de 50% nos feminicídios, quando a mulher é morta pela condição de gênero. Em julho de 2020, houve três casos, contra seis no mesmo mês do ano passado. Os estupros também tiveram um declínio significativo nos registros: -40,18%, passando de 219 queixas, em julho do ano passado, contra 131 no mês passado. As denúncias de violência doméstica também mantiveram a tendência de queda, mas de forma menos acentuada. A redução de 3,65% representa 118 queixas a menos, na confrontação dos dois julhos (3.231, em 2019, caindo para 3.113, em 2020).

“Estamos trabalhando de forma redobrada na pandemia e a rede de proteção à mulher está em alerta. Fizemos campanhas de incentivo às denúncias, intensificamos acompanhamentos às vítimas, solicitações de medidas protetivas e celeridade às investigações. As forças de segurança tinham em seu planejamento a possibilidade de o isolamento social favorecer a violência contra a mulher. Mas redirecionamos esforços para aumentar a prevenção e a repressão. Mas não podemos comemorar. Sabemos que há ainda subnotificação, especialmente quando falamos de crimes cometidos por pessoas muito próximas, muitas vezes dentro dos lares, e é preciso denunciar, ter amigos, parentes e vizinhos vigilantes contra os agressores”, adverte a gestora do Departamento de Polícia da Mulher (DPMUL), delegada Julieta Japiassu.

ONDE E COMO DENUNCIAR - Atualmente, Pernambuco conta com Delegacias da Mulher  em Santo Amaro (Recife), Prazeres (Jaboatão dos Guararapes), Cabo de Santo Agostinho, Paulista, Vitória de Santo Antão, Goiana, Caruaru, Surubim, Afogados da Ingazeira, Garanhuns e Petrolina. Onde não houver uma unidade especializada, a população pode procurar qualquer delegacia de Polícia Civil mais próxima.

Casos que envolvam agressões físicas e sexuais devem ser denunciados de imediato e de forma presencial, para que sejam feitos exames e perícias, a exemplo de traumatológico e sexológico, de modo comprovar o crime e responsabilizar judicialmente o responsável. Denuncie, informe-se sobre a rede de proteção por meio da Ouvidoria Estadual da Mulher, no fone 0800-281-8187. Em caso de emergência policial, ligue para o 190 Mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário