quarta-feira, 30 de setembro de 2020

34% dos alunos de 15 anos reprovaram ao menos uma vez, diz OCDE

Mais de um terço (34%) dos estudantes brasileiros de 15 anos já repetiram de ano ao menos uma vez, o que coloca o país com a 4ª pior marca ente os 79 países e territórios participantes do Pisa, prova internacional da educação básica.


Ao levar em conta informações desagregadas de regiões de alguns países, o Brasil aparece em destaque ainda mais negativo. As regiões Nordeste, Norte e Sul têm as maiores taxas de reprovação de dois ou mais anos no ciclo final do ensino fundamental (6º ao 9º ano). São os maiores níveis entre as 71 regiões de 11 países listados neste recorte.

Os dados integram o relatório "Políticas eficazes, escolas de sucesso" da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), divulgados nesta terça-feira (29). A entidade destrincha dados do último Pisa, de 2018, e mostra informações contextuais e de infraestrutura dos sistemas educacionais.

Segundo a OCDE, o percentual de alunos com dois ou mais anos de reprovação é de 8,6% no Nordeste, de 7,5% no Norte e 7,3%, no Sul. Na sequência, aparece Bogotá (Colômbia), com 6,8%, e Buenos Aires (Argentina), com 5,8%. Em seguida surge o Brasil novamente. A região sudeste tem 5,2% dos estudantes com duas ou mais reprovações.

Das 71 regiões com dados desagregados, 56 têm menos de 2% dos alunos com dois ou mais anos de repetência. Essa lista leva em conta regiões de países como a Espanha, Bélgica, Itália, Rússia e Cazaquistão, além das nações latino-americanas já citadas.

Altas taxas de reprovação têm forte relação com o abandono escolar. O aluno que repete tem maior chance de deixar a escola futuramente, mostram pesquisas. (Folhapress)

Nenhum comentário:

Postar um comentário