terça-feira, 22 de setembro de 2020

Alta do sebo de boi leva fabricantes de sabonete a pedir intervenção do governo

Depois dos supermercadistas e da indústria de material de construção, agora são os fabricantes de sabão e sabonetes que buscam o Ministério da Economia para alertar sobre a alta de custos no setor. O sebo de boi, principal matéria-prima dos sabonetes consumidos no país, registra aumento de preços de cerca de 80% no ano. A alta se deve a uma combinação de redução do abate de bovinos e aumento da demanda por sebo no setor de biodiesel, em meio ao avanço dos preços do óleo de soja, com as exportações do grão aquecidas.

Com dificuldade para repassar custos e margens comprimidas, os fabricantes pedem ao ministro Paulo Guedes (Economia) que intervenha de alguma forma, para que o insumo seja destinado preferencialmente ao setor de higiene e limpeza.

Os empresários argumentam que os sabões e sabonetes são parte essencial do combate à Covid-19 e que a população não teria condições de arcar com alta de preços proporcional ao aumento de custos do setor.

"Cerca de 80% do custo da massa base, principal matéria-prima do sabonete em barra, é o sebo. Nesse ano, a massa base já subiu aproximadamente 60%", relata Breno Grou, presidente da Sinter Futura, fabricante de sabonetes e massa base com unidades em Monte Mor (SP) e Ouro Fino (MG). "É muito difícil para os fabricantes repassar isso para os clientes. Imagine, em meio à pandemia, o sabonete aumentando 20%, 30%, 50% para a população, quando o pessoal já não tem dinheiro para comprar o sabonete em alguns locais do Brasil. Isso iria reduzir o consumo de um produto que é crítico para o combate ao coronavírus." Foi o que informou a Folha de Pernambuco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário