quarta-feira, 9 de setembro de 2020

PIB deve crescer em 2021 mesmo com incertezas da pandemia, afirma Ipea

Mesmo diante de incertezas provocadas pela pandemia de Covid-19 e agravadas por um cenário de situação fiscal complicada, as estimativas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) são de que o Brasil terá crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021. Os dados foram apresentados nesta terça-feira (8) em audiência pública da comissão mista do Congresso que analisa os impactos econômicos do novo coronavírus.

“A gente imagina, em um cenário transformador, com reformas estruturais feitas imediatamente – pacto federativo, reforma tributária, etc –, que nós chegaríamos, em 2021, a um aumento de 4,7% do PIB. Mas, na ausência dessas reformas, a estimativa é de um crescimento de 3,6%”, afirmou o diretor de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação e Infraestrutura do Ipea, André Rauen.

Ele acrescentou que, para 2020, a projeções são de queda de 6% na soma das riquezas do País em relação ao ano passado.

Sugestões
O Ipea elaborou um documento com 33 recomendações de curto prazo para o chamado “pós-pandemia”, entre as quais estão a adoção de um sistema de gestão de recursos hospitalares e o incentivo à inovação no complexo industrial da saúde, além da cobertura do serviço de saneamento em áreas irregulares como favelas.

Nos itens econômicos, há sugestões como a necessidade de concessão de empréstimos a micro e pequenos empresários e de estabelecimento de parcerias internacionais na área de infraestrutura. Reportagem - Cláudio Ferreira Edição - Marcelo Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário