Compesa investe em saneamento para revitalizar mananciais do estado de Pernambuco



O Dia Mundial da Água, celebrado em 22 de março, foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) para promover uma reflexão coletiva sobre a relação do homem com os recursos hídricos, tendo como tema este ano “Água e Emprego: investir em água é investir em emprego”. Em Pernambuco, a tônica tem sido despertar a consciência individual e coletiva de que é preciso recuperar e preservar nossos mananciais, com o desenvolvimento de ações concretas com esse objetivo. Nesse sentido, três grandes iniciativas vêm sendo tocadas no estado: o Programa Cidade Saneada, o Programa de Saneamento Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Ipojuca (PSA Ipojuca) e o Programa de Sustentabilidade Hídrica de Pernambuco (PSH). Todos eles estão sendo executados pela Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).

O PSA Ipojuca visa ampliar a cobertura de esgotamento sanitário em 12 cidades que margeiam o rio, promovendo a redução da carga de poluição lançada nele. O programa foi estruturado no valor de US$ 330 milhões, sendo US$ 200 milhões oriundos de financiamento firmado, em agosto de 2013, com o Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, e US$ 130 milhões como contrapartida do Governo do Estado.

Já o PSH tem foco na recuperação da Bacia do Capibaribe. Orçado em US$ 410 milhões com recursos financiados pelo Banco Mundial e do próprio Governo de Pernambuco, prevê a elaboração de projetos e a execução de obras de abastecimento de água e de sistemas de esgotamento sanitário (SES). Alguns dos municípios beneficiados com as ações do PSH são Surubim, Santa Cruz do Capibaribe, Toritama, São Lourenço da Mata, entre outros.

Por sua vez, o Programa Cidade Saneada consiste em uma parceria público-privada para o esgotamento sanitário da Região Metropolitana do Recife e município de Goiana, com investimentos tanto do setor público quanto do setor privado da ordem de R$ 4,5 bilhões. Quando for concluído, 90% da área compreendida pelo programa terá cobertura de esgoto, havendo a garantia de tratamento de tudo o que for coletado.

Com a ampliação dos sistemas de esgotamento sanitário, a Compesa quer escrever um novo capítulo na história dos recursos hídricos no estado. No entanto, é preciso destacar que apenas investir em saneamento não garante a total despoluição dos rios. “A Compesa está fazendo sua parte para coletar e tratar os esgotos antes que eles retornem ao meio ambiente. Entretanto, a despoluição não depende apenas dela. É importante que a população use corretamente os sistemas de galerias, operados pelas prefeituras municipais, para que não faça ligações clandestinas nessa rede. Os resíduos sólidos também devem ser destinados à coleta municipal e as indústrias devem fazer o descarte correto de seus efluentes”, declarou o diretor de Articulação e Meio Ambiente da Compesa, Aldo dos Santos.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial