“Bolsonaro é uma máquina de crises”, afirma Bebianno


Em entrevista nesta quinta-feira (10) ao programa Passando a Limpo, da Rádio Jornal, o ex-ministro da Secretaria da Presidência da República, Gustavo Bebianno, criticou as recentes declarações do presidente Jair Bolsonaro em relação ao presidente do PSL, Luciano Bivar,  na terça-feira (8). Na noite dessa quarta (9), Bolsonaro tratou de colocar panos quentes na troca de farpas com Bivar, afirmando que o assunto estava encerrado e tudo não se passava de uma “briga de marido e mulher”. Para Bebianno, no entanto, o presidente não sabia o que falar após as declarações desferidas ao dirigente do partido e acabou jogando essa afirmação no ar.

"Ele abriu uma crise totalmente desnecessária. O grande desafio do Brasil é superar os problemas econômicos criados pelo PT. O que me surpreende é que o presidente, por si só, é uma máquina de crises. Ele abre uma crise, depois a outra e o PT, que é oposição de uma forma geral, fica sentada de camarote observando e dando risada porque não precisa fazer nada, já que o próprio presidente abre crises sucessivas que são desnecessárias. Ele vai se isolando, ficando sozinho, e isso é muito preocupante para a situação do país”, disse.

Segundo o ex-ministro, Bolsonaro “revelou uma baixa consideração” ao presidente do partido. “O PSL abrigou o então candidato à presidência em 2018, Jair Bolsonaro, com muito carinho e muita consideração ao longo dos meses. Foi assim até os dias atuais. O PSL cumpriu com tudo aquilo que combinou com o então candidato e, depois, presidente da República. A fala dele para aquele pré-candidato de Pernambuco foi desastrada, descuidada e revelou uma baixa consideração com o presidente do partido, Luciano Bivar, que sempre foi correto e atendeu aos pleitos do presidente”, afirmou.


“Há alguns deputados ali que fizeram um trabalho de anos pelo presidente, principalmente, no Nordeste, uma região muito difícil, tradicionalmente simpática ao PT, ao ex-presidente Lula. Parte desses deputados está muito decepcionada com a postura que o presidente adotou depois que foi eleito. Bolsonaro tinha uma postura muito humilde, muito simples antes de ser eleito. E depois da eleição, passou a ter outro comportamento. Isso surpreendeu muita gente. Alguns deputados se manifestam nesse sentido. Outros preferem omitir da opinião pública até porque tem seus interesses pessoais”, alegou. Fonte: Rádio Jornal.

Comentários

Anterior Proxima Página inicial