quarta-feira, 8 de julho de 2020

Conflitos por água disparam e revelam dificuldades para abastecer o campo

Os conflitos no campo pelo uso da água são um retrato antigo da saga de camponeses para ter abastecimento em muitas regiões rurais do Brasil. Ao longo dos anos, o número de casos vem crescendo e preocupando os movimentos sociais.

Em 2019, segundo relatório da CPT (Comissão Pastoral da Terra), ligada à CNBB (Comissão Nacional de Bispos do Brasil), foram registrados 489 conflitos por água no país — um recorde desde 2002, quando a CPT começou a contabilizar essas disputas. Só no ano passado, 69.793 famílias se envolveram nesses conflitos.

Isolete Wichinieski, integrante da coordenação nacional da CPT, afirma que a maior parte desses conflitos tem a questão territorial como pano de fundo. "Isso ocorre por causa da disputa pela água das comunidades rurais com o agronegócio. E é bem frequente por conta da redução de água dos rios, com a retirada de enormes quantidades para a irrigação de monoculturas", conta.

Em 2019, a tragédia do rompimento da barragem de Brumadinho (MG) puxou os números para cima. "A mineração é um dos aspectos principais, principalmente ali em Minas Gerais e na Bahia. No ano passado, foram 189 conflitos (39%) por causa disso, principalmente puxados por Brumadinho. Temos aí conflitos com uso de violência, tensão e contaminação", afirma Isolete.

Um dado que chama a atenção nos casos da mineração é o número de registros envolvendo violência: foram 40, no total. Por Carlos Madeiro Colaboração para UOL, em Maceió.

Nenhum comentário:

Postar um comentário