segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Auxílio emergencial previne 23,5 milhões de cair na pobreza

Sem o auxílio emergencial, 63,1 milhões de brasileiros teriam renda per capta inferior a R$ 348,33. Ganhar menos de ⅓ do salário mínimo é o critério usado para determinar a pobreza no país. Com o benefício, 23,5 milhões deixaram de entrar nessa situação. Foi o que informou

A análise foi publicada pela Folha de S.Paulo neste domingo (16.ago.2020), com base em dados do Ministério da Economia, do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e de estudos de Rogério Jerônimo Barbosa, da USP (Universidade de São Paulo), e Ian Prates, do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento).

Parte inferior do formulário

O auxílio emergencial também permitiu que 5,5 milhões de pessoas deixassem a linha da pobreza. Atualmente, 34,1 milhões ainda se encontram nessa condição.

Eis as outras conclusões dos especialistas:

Renda: a renda domiciliar per capta em 2019 foi de R$ 1.441. Com o auxílio emergencial, está em R$ 1.191. Sem o benefício, seria de R$ 1.081.

Desigualdade: o coeficiente de Gini mede a assimetria entre as classes sociais. Quanto mais próximo de 1, mais desigual é a sociedade. O índice brasileiro foi de 543 em 2019. Este ano, com o auxílio, está em 492. Se a política não existisse, estaria em 569.

Nenhum comentário:

Postar um comentário