terça-feira, 15 de dezembro de 2020

Programa Olhar para as Diferenças em Venturosa recebe prêmio nacional

Num ano em que as restrições provocadas pela pandemia do Coronavírus modificaram a rotina de muitas pessoas, profissionais do município de Venturosa (Agreste Meridional) que atuam no programa Olhar para as Diferenças mostraram que é possível continuar promovendo melhorias através das políticas públicas. O município foi reconhecido com o Prêmio Parentalidade: boas práticas de visitadores na pandemia, promovido pelas fundações Maria Cicília Souto Vidigal e Bernardo Van Leer e está entre as 100 práticas que se destacaram pelo atendimento a crianças de 0 a 6 anos durante o período de pandemia. 

A iniciativa identificou e destacou os profissionais e as suas boas práticas de desenvolvimento infantil, estímulo às crianças e fortalecimento das famílias na primeira infância. E o município de Ventura recebeu esse reconhecimento por ter criado alternativas de atendimentos às crianças atendidas pelo Programa Olhar para as Diferenças nos últimos meses. 

O programa tem o objetivo de fomentar e acompanhar as políticas públicas para esse público com o intuito do fortalecimento do pleno desenvolvimento infantil. A iniciativa vem para corroborar com o compromisso do Marco Legal da Primeira Infância, que foi instituído após decreto assinado pelo governador Paulo Câmara, em junho de 2017.

A premiação reconheceu o trabalho desempenhado em Venturosa nesse período de pandemia, que precisou de reajustes mas não parou de funcionar. “Desde o início das paralisações das atividades foi necessário fazer algumas mudanças, mas as equipes sempre continuaram fazendo as visitas e vendo as necessidades das mães e das crianças. Fizemos esse acompanhamento também através das videoaulas e pudemos criar novas alternativas. Chegar ao final e ver nosso trabalho ser reconhecido é sinal de que estamos no caminho certo”, afirmou a articuladora do Programa Olhar para as Diferenças no município de Venturosa, Maria do Socorro Claudino Bezerra. 

Dos 781 trabalhos inscritos, sendo estas iniciativas de 18 estados brasileiros e Distrito Federal, 100 foram premiados.  “Desde o início da pandemia buscamos sempre repassar orientações para os técnicos dos municipais, que fazem esse atendimento na ponta. Muito mais que uma premiação, podemos avaliar a importância da continuidade dos atendimentos para as crianças que têm algum tipo de deficiência e precisam desse acompanhamento para garantir o seu desenvolvimento”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Sileno Guedes.

A coordenadora estadual do Programa, Flávia Veras, ressalta a importância do trabalho em rede e de maneira intersetorial. “Este resultado espelha o esforço e construção de muitas mãos que, em momento de crise, souberam se reenventar e fazer a diferença”, pontua. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário