quinta-feira, 18 de junho de 2020

Brasil tem mais casos do que todos os da América Latina somados

O Brasil registrou, pelo segundo dia consecutivo, mais de mil mortes e mais de 30 mil infectados pela covid-19. Somente ontem, o Ministério da Saúde contabilizou mais 1.269 óbitos e 32.188 casos confirmados. Com isso, 46.510 brasileiros já perderam a vida para o novo coronavírus e 955.377 diagnósticos positivos. O total de casos no país é superior à soma de confirmações em toda a América Latina. Caso mantenha a média de registro diário dos últimos seis dias, que é de 25.424, o Brasil passará, amanhã, a marca de um milhão de infectados.

Somando os outros 19 países que compõem a América Latina, o número de confirmações era de 836.200 até ontem. O Brasil tem 119.177 registros a mais e é, atualmente, a segunda nação com mais diagnósticos positivos para a doença no mundo. De acordo com o levantamento da Universidade Johns Hopkins, somente os Estados Unidos têm números absolutos superiores aos brasileiros; são 2.159.446 casos e 117.622 óbitos.

O Brasil também acumula mais de dez vezes o total de mortes chinesas provocadas pelo vírus. No país onde se originou a covid-19, são 4.638 fatalidades. Sozinho, São Paulo tem mais do que o dobro de óbitos. O estado continua liderando o ranking no Brasil e, ontem, registrou, pelo segundo dia consecutivo, novo recorde de mortes diárias por covid-19. Com mais 389, o estado soma 11.521 vidas perdidas.

Estados

Além de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará ultrapassaram o número de mortes da China, com 8.138 e 5.282, respectivamente. Outros seis estados já bateram a marca de mil óbitos cada. São eles: Pará (4.291), Pernambuco (4.009), Amazonas (2.579), Maranhão (1.570), Bahia (1.222) e Espírito Santo (1.169). Juntos, os oito estados somam 39.781 mortes, ou seja, 85,5% de todos as mortes. Apenas Mato Grosso do Sul (MS) tem menos de 100 fatalidades: eram 36, até ontem.

Em entrevista coletiva, o diretor do programa de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, afirmou que o aumento de casos no Brasil “não é tão exponencial como era anteriormente”. “Existem alguns sinais de que a situação está se estabilizando. No entanto, já vimos isso antes em outras epidemias, em outros países. Você pode ver um sinal de estabilização em um dia ou dois e, depois, a doença pode decolar novamente”, pontuou.

Do total de casos confirmados de covid-19 no Brasil, 445.393 pacientes estão em observação e 463.474 foram recuperados. Há ainda 4.033 mortes em investigação. A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4,9%. A mortalidade (falecimentos por 100 mil habitantes) foi de 22,1. Já a incidência (casos confirmados por 100 mil habitantes) ficou em 454,6. (Correio Braziliense)

Nenhum comentário:

Postar um comentário