sábado, 31 de outubro de 2020

Apesar de apoio de Bolsonaro, candidatos colados à sua imagem não decolam

Luciana Amaral do UOL, em Brasília

Apesar do apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), candidatos a prefeito que colaram suas imagens à dele ainda não decolaram nas pesquisas de intenção de voto a 15 dias do primeiro turno das eleições.

Até esta semana, Bolsonaro havia optado oficialmente por não se engajar nas campanhas municipais, embora tenha dado aval para o uso de seu nome e sua imagem por alguns candidatos, como Celso Russomanno (Republicanos), em São Paulo, Marcelo Crivella (Republicanos), no Rio de Janeiro, e Bruno Engler (PRTB), em Belo Horizonte.

Russomanno, que caiu sete pontos percentuais no último Datafolha e cinco no Ibope, chegou a retirar recentemente a menção ao presidente em vídeos de campanha e jingles e passou a priorizar os ataques ao prefeito Bruno Covas (PSDB) e ao governador João Doria, também tucano. Só voltou a posar foto ao lado de Bolsonaro, ontem, após o chefe do Executivo pedir, pela primeira vez, voto em sua candidatura.

Já Crivella, estagnado nas pesquisas, foi a Brasília para conseguir gravar com o presidente um vídeo de apoio à campanha.

Em São Paulo, o marqueteiro de Russomanno, Elsinho Mouco, disse que previsão é que Russomanno e Bolsonaro gravem vídeos para a disputa na próxima semana. A ideia é mostrar que o presidente avaliza propostas do candidato, como o 'auxílio paulistano' — espécie de complementação do auxílio emergencial federal—, o 'auxílio-saúde' e estímulo à regularização de moradias na periferia de São Paulo.

Na avaliação da equipe de Russomanno, ainda que ele não tenha decolado, o bolsonarismo lhe oferece um "colchão de proteção".

Numa eleição com muitos candidatos —são 13 nomes à prefeitura de São Paulo—, o mais importante é garanti-lo num piso de 20% das intenções de voto para sobreviver ao primeiro turno. Para o estafe de Russomanno, isso só é viável por meio da ligação com Bolsonaro, fator com o qual Russomanno não contava em eleições passadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário