sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Corrida pelo votos dos indecisos mobiliza reta final das eleições municipais

A 48 horas das eleições, os 19,3 mil candidatos a prefeito e 518,3 mil postulantes a vereador, nos mais de 5,5 mil municípios do Brasil, concentram as forças pelo voto dos indecisos. As principais investidas devem ocorrer pelas redes sociais, mas ligações telefônicas e carreatas fazem parte do arsenal de busca por votos.

De acordo com Melillo Dinis, analista do portal Inteligência Política, há uma expectativa de que, em alguns municípios, até 50% dos eleitores deixem para estas últimas horas a escolha do candidato a prefeito. No caso das vagas para as câmaras de vereadores, o número pode chegar a 70% de indecisos. “Por isso, os blocos de apoiadores lutarão, muito por meio das redes sociais e por telefone. A população pode esperar receber ligação, mensagem eletrônica e muita propaganda eleitoral nas redes sociais. Este momento é o sprint final, o esforço do candidato, de sua equipe e de partidos”, destaca.

Outro preocupação é convencer o eleitor a votar em plena crise sanitária provocada pelo novo coronavírus. “A pandemia traz uma série de questões. Em São Paulo, houve crescimento na pressão nos hospitais, e muita gente vai deixar de votar. A minha expectativa é de que os dados de abstenção serão maiores”, ressalta. Maior cidade do país, a capital paulista tem cerca de 3% dos eleitores ainda indecisos, segundo pesquisa Ibope, divulgada na quarta-feira. Em um cenário em que o prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), lidera com 32% das intenções de voto, os eleitores que ainda não definiram seu escolhido podem empurrar o pleito para o segundo turno. Atrás de Covas estão, embolados, Guilherme Boulos (Psol), com 13%; Celso Russomanno (Republicanos), 12%, e Márcio França (PSB), 10%.

A indecisão de eleitores, país afora, pode provocar resultados diferentes daqueles apontados por pesquisas eleitorais. “Estatisticamente, o voto do indeciso pode trazer surpresas para o resultado final. Muitas vezes, ele não decidiu em quem votar, mas sabe quem não quer que ganhe. Então, na última hora, pode alterar todo o cenário”, afirma o especialista em direito eleitoral Acácio Miranda.

Em Goiânia, o candidato do MDB, Maguito Vilela, lidera com cerca de 30% dos votos. Em seguida, aparece Vanderlan Cardoso (PSD), com pouco mais de 20% das intenções do eleitorado. Já os indecisos representam 14%. “Nesses cenários, os indecisos poderão representar a virada de um candidato ou a vitória de quem está na liderança. Em muitos casos, quem está na liderança nas pesquisas acaba levando uma vantagem na hora de ganhar voto desse eleitorado”, ressalta Miranda. (Correio Braziliense)

Nenhum comentário:

Postar um comentário